6 melhores livros de medicina

Mesmo quem não é médico pode adicionar na sua meta de leitura alguns livros de medicina. Afinal, nada melhor do que se informar sobre o funcionamento dessa máquina incrível que é o nosso corpo humano, de forma a entender melhor sobre a nossa saúde.

Se você também adora aprender mais por meio dos livros, veja essa seleção bem bacana que montamos!

  1. O Imperador de todos os males (Siddharta Mukherjee)

O câncer é uma das doenças mais perigosas da nossa sociedade. Mas, afinal, do que se trata esse mal? Apesar de ter seu primeiro registro datado do século VII a.C., o câncer só começou a se tornar mais “comum” na segunda metade do século XX, principalmente com o envelhecimento da população.

Nesse livro, o autor faz uma verdadeira “biografia do câncer”, narrando em detalhes os processos de pesquisas sobre a doença, os tratamentos disponíveis, as formas de prevenção e os exames obrigatórios. Tudo isso com uma linguagem simples e acessível.

  1. O Físico (Noah Gordon)

Este best-seller já foi adaptado para as telonas do cinema e é o primeiro da trilogia que mescla aventuras e fatos históricos usando as Cruzadas e a Idade Média como pano de fundo.

No livro, Rob J. Cole é um aprendiz de cirurgião-dentista que realiza uma peregrinação para estudar medicina em uma época na qual a dissecação de cadáveres humanos era proibida pela Igreja Católica, enquanto as principais escolas da área médica se localizavam no mundo árabe.

  1. Médico de Homens e Almas (Taylor Caldwell)

Esse é um dos livros de medicina mais conhecidos e indicados pelos médicos. Na obra, conhecemos a história de São Lucas, protetor dos médicos, em uma narrativa que mistura ficção e realidade e que traz profunda emoção ao abordar as fraquezas do protagonista.

O principal destaque do livro é a capacidade que a autora possui para aproximar o médico da realidade e lembrar que esse profissional é um ser humano como qualquer outro, mas que também tem a missão de tratar dos corpos e das almas.

  1. Por um fio (Drauzio Varella)

É claro que a nossa lista com os melhores livros de medicina não poderia deixar de fora o médico mais conhecido do Brasil, o Dr. Drauzio Varella. Nesse livro, ele nos conta, por meio de histórias reais, a sua experiência na oncologia clínica.

Para isso, o autor analisa a convivência dos pacientes com a dor, a perspectiva da morte, o comportamento do paciente e dos familiares e nos traz toda a sua experiência ao longo de mais de 30 anos tratando o câncer, que teve início quando a doença ainda era considerada um “tabu” pela sociedade e pouco conhecida pela ciência.

  1. Sob Pressão: A rotina de guerra de um médico brasileiro (Marcio Maranhão)

O título foi a inspiração para a série da Globo de mesmo nome e traz o depoimento de Marcio Maranhão, cirurgião torácico, à jornalista Karla Maranhão.

O relato, comovente e triste, mostra a realidade encontrada por muitos médicos no Sistema Único de Saúde (SUS) a partir da sua experiência de 15 anos trabalhando em hospitais públicos do Rio de Janeiro, especialmente no Souza Aguiar, chamado pelo médico como o “Inferno de Dante” – e o maior da cidade para emergências.

  1. A Estratégia da Lagartixa: uma viagem pelos bastidores da medicina (Dario Vianna Birolini)

Escrito de forma bem descontraída, o livro visa retirar o médico do pedestal e fazer um painel realista sobre a rotina do profissional, mostrando desde a aprovação em um dos vestibulares mais concorridos do país, as primeiras aulas com pacientes, o período de internato, até os atendimentos médicos.

Durante todo esse período, Dario levanta questões essenciais, mostrando aos pacientes que os médicos também possuem limitações profissionais, angústias, dúvidas e medos.

É claro que, apesar da leitura ser importante, ela nunca deve substituir uma consulta médica. Assim, caso você ou alguém da sua família estejam passando por alguma dificuldade ou por sintomas diferentes, o melhor a fazer é buscar uma clínica médica em BH, com especialistas capazes de prestarem um ótimo atendimento.

A leitura e o conhecimento são indispensáveis, mas nunca devem substituir a visita ao médico. Lembre-se que o autodiagnostico e a automedicação são atitudes extremamente perigosas à saúde.

Gostou deste conteúdo? Já conhecia alguns desses livros de medicina? Aproveite e compartilhe as nossas sugestões com os seus amigos nas suas redes sociais!

Como utilizar o empreendedorismo digital durante a crise?

É só abrir qualquer jornal para ver que a nossa economia não anda muito bem. Os especialistas, inclusive, afirmam que esse é o período mais lento de retomada econômica desde a década de 1980. Mas, você sabia que o empreendedorismo digital pode ajudá-lo a superar esse quadro tão negativo?

Os exemplos são vários de pessoas que estão conseguindo uma boa renda investindo na internet. Parece algo muito maluco e fora da sua realidade? Pois saiba que as ideias que hoje são grandes, como o Peixe Urbano ou até o Buscapé, começaram pequenas e com custos reduzidos.

Ficou interessado? Continue a leitura!

Mas, afinal, o que é o empreendedorismo digital?

Como o próprio nome sugere, este tipo de empreendedorismo visa criar um negócio que funcione de maneira digital, principalmente baseado na internet. Ou seja, empreender digitalmente significa usar a tecnologia e a inovação de maneira a criar um negócio baseado, principalmente, na internet.

Da mesma maneira que os demais negócios, a ideia aqui também é ter lucro e ainda, de quebra, garantir condições de trabalho mais simples e flexíveis (uma vez que você não precisará de um escritório fixo para trabalhar e nem dependerá do horário comercial).

Existem muitos tipos de negócios virtuais, como:

  • e-commerces;
  • serviços online;
  • portal de cursos;
  • programa de afiliados;
  • adsense;
  • aplicativos;
  • entre outros.

Por que ser um empreendedor digital?

Muitas pessoas não acreditam que os negócios virtuais são capazes de gerar renda. E isso é um verdadeiro erro. Afinal, a nossa sociedade está mudando e praticamente todo mundo usa a internet hoje em dia.

Se você ainda não está totalmente convencido, veja os motivos que trouxemos!

Facilidade de acesso

Há alguns anos pensar em negócios virtuais era quase algo de filmes de ficção científica. Afinal, era difícil usar a internet, sendo preciso de um computador desktop e um modem. A qualidade da conexão era horrível, assim como a velocidade, além do custo elevado.

Mas, com o avanço da tecnologia, principalmente com o surgimento dos smartphones e das conexões 3g e 4g, a realidade mudou. Hoje podemos acessar a internet de praticamente qualquer lugar e com custos bem baixos. A velocidade e a qualidade de conexão também são muito melhores.

Tudo isso fez com que cada vez mais pessoas usassem a internet. Em 2016, de acordo com o IBGE, 54% dos brasileiros acessavam à internet e a tendência é que esse número continue crescendo (ou seja, cada vez mais público para o seu negócio).

Rapidez e facilidade de negociação

Quantas vezes não desistimos de comprar algo porque precisamos nos deslocar até a loja, pegar trânsito, encontrar lugar para estacionar e ainda ter que encontrar horário na agenda corrida?

Tudo isso não acontece com um negócio virtual. Afinal, seus consumidores podem acessá-lo no horário que quiserem e de onde preferirem, até mesmo do conforto do lar. E, claro, as transações são extremamente rápidas e muito seguras, já que hoje existe uma infinidade de tecnologias que impedem a ação de pessoas má intencionadas.

Todas essas vantagens trazem tanto benefícios aos consumidores quanto aos empreendedores, que podem lucrar muito mais do que com um negócio físico e off-line.

Capacidade de atingir muitas pessoas

Como dissemos, cada vez mais as pessoas estão conectadas – e a tendência é que esses números só aumentem. Até as gerações mais antigas já estão se rendendo às facilidades da internet. Isso significa, claro, um público muito maior para a sua empresa.

Em uma empresa tradicional, provavelmente, você seria limitado por questões geográficas e dificuldades de acesso. Na internet, isso não acontece e você pode fazer negócio com pessoas de todo o mundo.

Custos reduzidos

Esse, com certeza, é um dos principais motivos que fazem com que muitas pessoas busquem empreender digitalmente, principalmente na recessão que estamos vivendo.

Diferentemente de um negócio tradicional, na internet você precisa de muito menos para começar a colocar a sua ideia em prática, geralmente tendo de arcar com a construção do site ou do aplicativo, o servidor e o endereço na web.

As equipes também são reduzidas e muitos empreendedores digitais começaram sozinhos, sem ter que arcar com encargos trabalhistas.

 Como posso começar a empreender digitalmente?

Já está convencido de que empreender digitalmente é um bom negócio? Veja algumas dicas importantes:

  • escolha um nicho de mercado e entenda muito bem o que essas pessoas querem e como a sua solução poderá facilitar a vida delas ou resolver um problema usual;
  • tenha um plano de negócios, definindo seus objetivos, onde pretende chegar, como a sua solução funcionará, projeção de ganhos, riscos de mercado, principais concorrentes e outras informações;
  • monetize a sua ideia, ou seja, defina como o seu empreendimento digital ganhará dinheiro, que pode ser vendendo um produto ou serviço, ou até transformando acesso em renda;
  • tenha um bom plano de marketing digital, afinal você precisará divulgar o seu negócio para as pessoas certas, aumentando as suas vendas;
  • analise frequentemente os seus resultados e pense em maneiras de melhorá-lo!

E, então, depois dessas dicas, já pensa em usar o empreendedorismo digital para criar novas oportunidades durante a crise? Compartilhe o nosso post com os seus amigos e ajude-os a vencerem a recessão econômica!