youPode

Arquivo para janeiro, 2010

DEM enquadrou Roberto Freire

29 de janeiro de 2010

De Ilimar Franco, no ‘Panorama Político’: 
“O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, recebeu uma ligação ontem às 7h.
Era o presidente do DEM, Rodrigo Maia, exasperado: “O que esse Roberto Freire tá pensando? Vai tirar lasquinha por causa do mensalão de Brasília? Se é assim, a oposição não pode ter candidato. E o mensalão de Minas? E a (governadora) Yeda (Crusius)?”. Assustado, Kassab balbuciou: “Você tem razão. Vou resolver isso aí”. Freire levou um puxão de orelhas. Às 14h, a assessoria de imprensa do presidente do PPS ligou para a coluna: “O Roberto pediu para dizer que não está articulando pelo Itamar Franco. Ele está trabalhando pelo governador José Serra”. Então, fica combinado assim”.

Davos precisa de Lula

29 de janeiro de 2010

De Merval Pereira, em ‘O Globo’:
“A ausência do presidente Lula certamente tirou do Fórum Econômico Mundial uma de suas principais atrações, e não foi por acaso que ele foi escolhido para ser a primeira personalidade a receber o título de Estadista Global. A presença do Brasil nos grandes temas que dominam a cena mundial, seja a crise financeira, a campanha humanitária no Haiti ou a questão do meio ambiente, é cada vez mais sentida.
Tudo estava preparado para que hoje fosse o dia do Brasil no Fórum Econômico Mundial, embora Lula só passasse três horas em Davos.
Mesmo com sua ausência, está mantido um almoço para debater o futuro do país, no qual falarão o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega.
Se o Brasil ainda não tem, ao contrário do que muitas vezes pretendem fazer crer nossas autoridades, uma palavra decisiva nas grandes discussões internacionais, pelo menos já é relevante o suficiente para ser ouvido.
E Lula hoje, além de sua história pessoal que encanta o mundo, representa um país emergente que deu certo. A tentativa de ser protagonista no plano internacional é consequência de uma política externa que prioriza a imagem internacional do presidente Lula, mais agressiva do que sempre foi historicamente.
Por isso mesmo, pode levar a homenagens como a de Davos, mas também a situações incômodas, como receber com todas as honras o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, num momento em que a comunidade internacional, inclusive China e Rússia, isolava aquele país como forma de pressioná-lo a desistir de um programa nuclear que não se submete à supervisão internacional.
O chanceler Celso Amorim insiste que a aproximação com o Irã atende inclusive a um interesse do presidente Barack Obama, que teria encorajado o Brasil a manter esse contato. Ontem, em Davos, Amorim reuniu-se com o chanceler do Irã para mais uma rodada de negociações sobre o programa nuclear.
No principal painel de ontem sobre o Haiti, por exemplo, o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton rasgou elogios à atuação das forças brasileiras no comando da Tropa de Paz da ONU no Haiti.
E, embora tenha deixado claro que os EUA assumiram a coordenação de fato das operações logísticas de ajuda humanitária, a partir do controle do espaço aéreo e do aeroporto de Porto Príncipe, Clinton referiu-se ao governo brasileiro como parceiro prioritário na reconstrução do Haiti.
Ao governo brasileiro resta aproveitar essa posição especial para tentar influir nas decisões, e não querer competir com os Estados Unidos pela liderança da reconstrução.
Foi o que fez o chanceler Celso Amorim, que também participava do painel. Ele aproveitou o momento de solidariedade para lançar um desafio aos países que estão envolvidos na ajuda humanitária: mesmo sem ser possível chegar-se a um acordo sobre o protecionismo no comércio exterior, no âmbito da Organização Mundial do Comércio, que a exportação de produtos têxteis produzidos no Haiti tenha taxação zerada, como forma de estimular os investimentos naquele país.
Foi uma maneira indireta de levantar um assunto quase morto, como a retomada da Rodada de Doha, que ele discutirá mais uma vez com Pascal Lamy, da OMC.
O Brasil pode sugerir que o tema seja um dos pontos da próxima reunião do G-20, para que os líderes mundiais assumam a condução das negociações, como fizeram com a questão do clima em Copenhague.
Esse, aliás, seria um dos assuntos do discurso de Lula hoje em Davos, ao receber o prêmio de Estadista Global.
Discurso que certamente teria uma repercussão política tão grande quanto o do presidente francês, Nicolas Sarkozy, pois representaria a posição dos países emergentes respaldando posições de líderes dos países desenvolvidos como o próprio Sarkozy e o presidente Obama, a favor de uma nova regulamentação para o sistema financeiro internacional.
O 40 oFórum Econômico Mundial, aliás, está sendo marcado por um sentimento generalizado de que os países emergentes, que têm demonstrado uma capacidade de reação à crise financeira maior do que a dos países desenvolvidos que a geraram, precisam ter mais voz nos organismos internacionais. O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, por exemplo, disse em um dos painéis que o poder de veto no Conselho de Segurança da ONU tende a cristalizar um desequilíbrio nas relações internacionais, assim como a subrepresentação dos países em desenvolvimento nos organismos financeiros internacionais. A África do Sul, juntamente com o Brasil, reivindica um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.
Em outro painel, o ex-presidente do México e atual professor da Universidade Yale Ernesto Zedillo disse que os países emergentes como Brasil, China e Índia, apesar de terem se mostrado bastante resilientes na crise internacional, não podem garantir o crescimento econômico sem que os países desenvolvidos se recuperem. Para isso, será preciso, segundo Zedillo, que uma nova regulamentação do sistema financeiro garanta a sua estabilidade, evitando novas crises.
Lula precisava de Davos para reforçar sua imagem de líder internacional, mas Davos precisava mais ainda de Lula para ressaltar sua busca por um capitalismo com face humana”.

D.Marisa comanda o Imperador

29 de janeiro de 2010

De Lauro Jardim em seu ‘Radar On-Line’:
“Nem médico, nem ministros: quem convenceu Lula a não viajar  para Davos foi a primeira-dama Marisa. “Só ela comanda o imperador”, disse um auxiliar de Lula que participou dos tensos momentos da noite de quarta-feira.
Ao contrário do que alguns amigos de Lula gostam de propagar, as tais caminhadas diárias da manhã  feitas pelo presidente viraram coisa do passado. Lula simplesmente não as faz mais há tempos”.

Lula não é hipertenso

29 de janeiro de 2010

O médico particular de Lula deu entrevista a Fausto Macedo, do ‘Estadão’:
“Roberto Kalil Filho, médico cardiologista de Lula, avalia que “é bom” o quadro de saúde do presidente, mas considera importante que ele seja submetido a um exame geral - marcado para amanhã no Instituto do Coração. Ontem de manhã, Kalil recebeu o presidente em Congonhas.
- O que houve com o presidente?
- Um aumento de pressão arterial, ele está cansado, agenda cheia. Não dormia direito mais. Isso levou a uma pressão bem mais alta que o normal. O presidente sentiu-se um pouco desconfortável, mal-estar. Foi examinado no hospital no Recife e, medicado, baixou a pressão.
- Que exames o presidente fez?
- Tomografia de pulmão, exame de sangue, eletrocardiograma.
- Tomou antibióticos?
- O presidente tem sinusite. Tomou antibiótico por causa do estado gripal em que se encontra. Nada demais, meio gripado. O que o levou mesmo ao hospital foi a pressão, 18 por 12, muito alta.
- A saúde do presidente o preocupa?
- Não. O presidente é saudável. Ele não é hipertenso.
- Como ele está agora?
- Ele está bem. Falei com ele há pouco (17h30 de ontem).
- Vai submeter o presidente a um exame geral de saúde?
- Uma avaliação estava programada para este mês. Avaliação de rotina. Sugerimos, já estava pré-marcada. Melhor do que não fazer.
- Lula reluta em fazer o check up?
- Falei com o presidente sobre isso. Ele está resolvendo. Gostaria que fizesse. Nem que seja amarrado pela orelha”.

Emergência

29 de janeiro de 2010

De Nelson de Sá, em sua coluna ‘Toda Mídia’, da ‘Folha’:
O site do “Jornal do Commercio” (do Recife) postou no final do dia um vídeo de celular, de internauta que “flagrou Lula chegando ao hospital”, em cadeira de rodas, às pressas pelo corredor, cercado por assessores, seguranças e médicos

 

Cabral já gastou R$ 250 milhões em propaganda

29 de janeiro de 2010

Do repórter Raphael Gomide, da ‘Folha’:
“O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), abriu uma nova licitação no valor de R$ 180 milhões para contratar seis agências de publicidade por um ano. O valor é 80% superior ao da última licitação, de 2008, de R$ 100 milhões anuais para cinco agências.
O governo Sérgio Cabral já gastou R$ 250 milhões em “Serviços de Comunicação de Divulgação” em seus primeiros três anos, de acordo com o Siafem (Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios). Foram R$ 81,4 milhões em 2007, R$ 82 milhões em 2008 e R$ 86,5 milhões no ano passado.
A sua antecessora, Rosinha Garotinho, gastou R$ 223,7 milhões (em valor corrigido pelo IGP-M, da Fundação Getulio Vargas), em período equivalente, ou menos R$ 26,3 milhões.
A licitação deve acontecer em março e pretende substituir as atuais agências de publicidade, cujos contratos se encerram em setembro. O novo contrato vale por um ano, mas o governo não pode gastar mais do que R$ 83,3 milhões em 2010, ano eleitoral -quando, por lei, os gastos do gênero são limitados à média dos três anos anteriores.
Atualmente prestam serviço ao governo a Agência 3 Comunicação Integrada Ltda., Agnelo Pacheco Criação Com. e Prop. Ltda. -que já atuavam na gestão Rosinha- , PPR Profissionais de Pub. Reunidos Ltda., a Artplan Comunicação S/A e a 3P Comunicação Ltda.
As cinco venceram a licitação de 2008 e tiveram o contrato renovado. Uma cláusula permitia renovações por até cinco anos. O acordo previa R$ 100 milhões de gastos anuais e a possibilidade de aditivos de até 25%, ou R$ 25 milhões.
O secretário do Gabinete Civil, Régis Fitchner, afirmou que o valor de R$ 100 milhões vigorava havia anos e precisava de reajuste. Com o novo montante, R$ 180 milhões, diz, não será necessário haver aditamentos.
“Com a realização da Copa e da Olimpíada, nós também prevemos um aumento dos gastos nessa área”, disse Fitchner. De acordo com ele, o Estado do Rio centraliza todos os gastos de publicidade da administração direta e indireta nessas contas.
Em 2007 e 2008, Cabral manobrou com o orçamento inicial para serviços de publicidade, multiplicando-o por até quatro vezes. Em 2007, a dotação prevista de R$ 20 milhões se transformou em despesa de R$ 81,4 milhões, superior aos Estados de SP (R$ 77 milhões) e MG (80,7 milhões).
No ano seguinte, os R$ 22,9 milhões viraram R$ 82 milhões liquidados ao fim do ano. Em 2009, o valor de partida foi o triplo dos anos anteriores, R$ 66,9 milhões, e as despesas também aumentaram para R$ 86,5 milhões”.

CK: “Porco é melhor que viagra”

29 de janeiro de 2010

“Carne suína melhora a vida sexual. É melhor comer um leitãozinho do que tomar viagra. Sou fanática da carne suína”.(…)
“É preciso consumir carne de porco pois possui melhores gorduras do que a carne bovina ..e além disso acabam de me dar um dado que eu desconhecia…e que é que a ingestão de carne de porco melhora a atividade sexual!”. A frase, pronunciada com entusiasmo, foi disparada pela presidente Cristina Kirchner durante uma cerimônia na Casa Rosada com as associações empresariais da indústria do setor suíno.
Dando continuidade à sua apologia das benesses vasodilatadoras das costeletas de leitão, lombinho e pernis, a presidente Cristina, em defesa dos estimulantes naturais em detrimento dos químicos, relativizou a importância da indústria farmacêutica nesse setor ao ressaltar que considera que “é mais gratificante comer um leitãozinho na grelha do que ter que usar o viagra”.
O público sentado no auditório da Casa Rosada estava peculiarmente estupefato pelas observações suíno-sexuais da presidente da República.
Na terra par excellence dos bovinos, CFK fez uma inédita enfática defesa do consumo dos ungulados onívoros que propiciariam melhores coitos,
Nunca antes na História registrada argentina o chefe do poder executivo havia pronunciado em público observações sobre a melhora da vida sexual e um bom naco de presunto.
O ex-presidente Carlos Menem (1989-99) recebia – diziam as más línguas em meados dos anos 90 – um “estimulante cubano”, enviado por Fidel Castro.
O ex-presidente Fernando De la Rúa, de aparência pacata, no último dia de seu atrapalhado governo foi flagrado, pelo fotógrafo presidencial, abrindo sua gaveta para pegar seus pertences….entre eles, uma caixinha de vigorizantes sexuais que ostentavam um gnomo na embalagem cujo gorro ia adquirindo uma inclinação de 45%, com óbvias alusões penianas.
Quando muitos pensavam que a dissertação sobre as benesses sexuais da carne suína estava concluída, a presidente Cristina recuperou-se do platô de suas observações e continuou para uma segunda rodada:
- “Sou fanática da carne de porco…e não estou dizendo isso para ficar bem (é que ela estava discursando perante empresários do setor da indústria suína), nem para fazer propaganda, nem nada…o Kirchner vai me matar quando chegar em Olivos (a residência presidencial)! Hehehehe…”, explicou rindo marota.
Depois, em tom proselitista, indicando total conversão à causa suíno-sexual, fez um apelo nacional: “Pois é isso! Comam carne de porco e relembrem que melhora a atividade sexual. Provar não custa nada”.
Menos de 24 horas depois de ter exaltado as vantagens sexuais de deglutir carne de leitão, a presidente Cristina Kirchner fez apologia da carne de frango.
Durante uma cerimônia na cidade de Capitán Sarmiento, na província de Buenos Aires, onde inaugurava uma ampliação de uma indústria de processamento de carne avícola, voltou a elogiar a carne suína…mas também teceu loas ao galináceo doméstico.
“Frango ajuda a emagrecer. É bom. Especialmente peito de frango”, disse, enquanto – com calor - abanava-se com um leque”
Esse é apenas um resumo de um texto maravilhoso, e super bem ilustrado, do jornalista Ariel Palacios publicado em seu blog Os Hermanos, do ‘Estadão’.
Vale muito a pena dar uma olhada nele.

Itamar entrou para embolar

28 de janeiro de 2010

A disputa pelo Senado em Minas será, com certeza, a mais emocionante do país.
Os dois senadores que terminam agora seu mandato, já desistiram da disputa, pois sabem que não tem a menor chance.
O primeiro, o ex-governador Eduardo Azeredo, do PSDB, anunciou que concorrerá à uma cadeira na Câmara dos Deputados.
Já  Hélio Costa sabe que não tem chances de voltar a ser senador, mas poderia vencer a eleição para o Governo de Minas, se tivesse o apoio do PT. Ele é o nome hoje mais popular no estado, mas precisa  dos petistas.
Aécio Neves foi o primeiro a dizer que queria o Senado. Em seguida, Lula lançou o vice José Alencar, “já que roubei quatro anos de seu mandato”, brincou o Presidente. Esses dois pareciam  imbatíveis. Até o anuncio do ex-presidente  Itamar Franco, desejando a mesma cadeira, embora só existam duas vagas.
José Alencar iniciou essa semana um novo tratamento de quimioterapia e, conforme os resultados dos exames, pode desistir da disputa. Isso facilitaria uma vitória de Itamar.
Se os três concorrerem, o que perder, seja ele quem for,  será injustiçado.
Se Itamar vencer, outra boa expectativa será o seu encontro, no plenário do Senado, com o ex-presidente Fernando Collor.
Ontem, alguns jornais especularam que Itamar poderia vir a ser vice de José Serra.
Se fosse, romperia com o governador paulista antes mesmo da eleição. E o motivo não seria as bordoadas que ele iria dar, durante a campanha, no seu sucessor Fernando Henrique Cardoso.

Um casamento inesquecível

28 de janeiro de 2010

Ainda sobre a benção das alianças promovida pelo casal Adriana Ancelmo e Sergio Cabal, no Palácio Laranjeiras, na segunda-feira, dia 25,  aproveitando a visita do Presidente da República no Rio de Janeiro.
No dia 3 de abril, eles completarão seis anos de casamento.
Nessa data, no ano de 2004, o casal promoveu uma super festa, para mil convidados, nos salões do Copacabana Palace. Eles já viviam juntos há tres anos, tanto que o filho Tiago, na época o caçula, vestiu paletó e gravata para a festa de casamento dos pais. Para se ter idéia da suntuosidade do momento, o Copacabana Palace foi decorado com quatro mil dúzias de rosas vermelhas.
Mas fora uns quatro senadores, os deputados Francisco Dornelles e Michel Temer, e mais o casal Garotinho, os convidados eram, o que o cartunista Jaguar costuma chamar de “um monte de ninguém”.
O casal teve 16 padrinhos, agora trocados pelo Presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff.
Uma reportagem da revista ‘Casamento’ publicou, na época, fotos espetaculares de Azmann, mostrando a decoração do Copacabana Palace, e um texto de Kathia Pompeu que termina assim:
“Depois de descansar em uma suite do Copacabana, o casal seguiu para a lua-de-mel em Paris. Um roteiro lindo e romântico que faz parte da vida de Adriana e Sérgio. Afinal, foi a primeira cidade que eles conheceram juntos, ainda namorados”.
Não poderia ser diferente.
Para quem quiser se deliciar com o texto e as fotos deslumbrantes da decoração dos salões, do bolo, do vestido da doutora Adriana, e a elegância do então senador Cabral e família, basta clicar aqui.
Deve ter sido mesmo uma noite inesquecível, não só para o casal, mas para todos os convidados.

Cenas de um casamento

28 de janeiro de 2010

Não percam!!!
Hoje, às 5 da tarde, ‘Cenas de um Casamento’.